Subscrever Newsletter
 
Fundação António Quadros
2018 - TURISMO Imprimir e-mail

PRÉMIO ANTÓNIO QUADROS 2018

CATEGORIA: Turismo.

EQUIPA DE COORDENAÇÃO: Mafalda Ferro; José Guilherme Victorino.

JÚRIAna Filomena Figueiredovogal; Carla Ribeiro, vogalCelestino Domingues, vogalJosé Guilherme Victorino, presidente; Mafalda Ferro, vogal.

TROFÉU: Troféu “Vida”, da escultora Cristina Rocha Leiria.

VENCEDOR: [processo de selecção em curso]

CERIMÓNIA DE ENTREGA: Rio Maior, data ainda não definida.

ACTA DA REUNIÃO DELIBERATIVA DO JÚRI: 

Nos termos do preâmbulo do respectivo Regulamento, decidiu a Fundação António Quadros (doravante FAQ): «criar um prémio destinado a promover e divulgar a cultura, a acção e o pensamento portugueses, nas suas múltiplas expressões e géneros, tarefa a que, lúcida e generosamente, o seu patrono e os seus pais dedicaram grande parte da sua actividade».

Por seu turno, nos termos do Art. 4.º do mesmo Regulamento: «dada a relevância que o turismo português teve no pensamento e na acção de António Ferro, sendo crescente o número de artigos e monografias que se lhe referem, foi deliberado que, em 2018, a categoria do Prémio António Quadros seria o TURISMO e que o Prémio seria entregue a uma personalidade portuguesa de reconhecido mérito nessa área».

Na sequência da decisão tomada na Assembleia Geral da FAQ, em 30 de Janeiro, a presidência do Júri foi assumida por José Guilherme Victorino, a que se seguiram os convites a demais individualidades com perfil académico-profissional justificadamente adequado à formação daquele colectivo.

Foi este Júri constituído, para além do respectivo Presidente, por Mafalda Ferro, Presidente da FAQ, Ana Filomena Figueiredo, Vereadora com o Pelouro do Turismo da Câmara Municipal de Rio Maior, Carla Ribeiro, docente e investigadora no âmbito do CEPESE e do Instituto Politécnico do Porto, e por Celestino Domingues, ex-docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve e de Lisboa, investigador e especialista nesta área.

Congratulou-se o Júri por, em sessão única e por unanimidade, ter sido deliberada a atribuição do Prémio António Quadros 2018 TURISMO a Margarida de Magalhães Ramalho, responsável por diversas iniciativas museológicas das quais se destaca a mais recente, o Museu “Vilar Formoso Fronteira da Paz”, e cuja continuada pesquisa e produção editorial e co-editorial, em torno da História do Turismo, é da maior relevância, numa visão inédita, multidisciplinar e de extrema actualidade num contexto português e europeu.

 

JURADOS – NOTAS BIOGRÁFICAS

Ana Filomena Figueiredo é licenciada em Geografia (1990) e em Geografia, Ramo Educacional (1992) pela Universidade Clássica de Lisboa.

Especializada em Reabilitação pelo Instituto de Psicologia Aplicada (1999), realiza o estágio de reabilitação em Estrasburgo no âmbito de protocolo entre o ISPA e a Universidade de Ciências Sociais e Humanas de Estrasburgo, coordenado pelo Professor Dominique Dujardin e Doutor Arménio Sequeira.

Docente na Equipa de Educação Especial de Santarém (1993-1997); Coordenadora da Equipa dos Apoios Educativos de Santarém (1997-2000); Coordenadora Adjunta do Centro Educativo da Lezíria e Médio Tejo (2003); Coordenadora Educativa da Lezíria e Médio Tejo (2004), docente no Agrupamento de Escolas das Marinhas do Sal (desde 2001); Presidente do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas a cujo quadro pertence (2009-2013); entre diversos outros cargos, nomeadamente, os relacionados com a disciplina Geografia e Cidadania Mundo Actual.

A sua formação social e académica levam-na, por desígnio seu, a participar na actividade política que lhe completa o seu carácter dinâmico: em Outubro de 2013 é eleita vereadora da Câmara Municipal de Rio Maior onde assume os pelouros da Educação, Cultura, Cemitérios, Taxas e Licenças, Publicidade e Defesa do Consumidor e, em 2017, é reeleita Vereadora com os pelouros da Educação, Cultura, Turismo e Cemitérios.

 

Carla Ribeiro é Doutora em História, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com a tese Imagens e Representações de Portugal: António Ferro e a elaboração identitária da Nação. É Professora Adjunta na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto. É Investigadora integrada do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória” da Universidade do Porto. Tem como áreas de interesse e investigação, no âmbito da História cultural contemporânea, as políticas e os organismos culturais do Estado Novo, o cinema português, o turismo no Estado Novo e os estudos folcloristas portugueses nos séculos XIX e XX, em ligação com as questões de identidade nacional.

 

Celestino Domingues iniciou a sua carreira profissional na indústria do turismo em 1951 exercendo actividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Viveu e exerceu a sua actividade em Portugal e no estrangeiro, em diversos sectores, tendo colaborado em múltiplos estudos, planos e projetos.

Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido).

No desempenho de cargos oficiais destaca-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo, em 1981-1982. Parte da sua vida tem sido consagrada ao estudo e investigação proferindo palestras e comunicações em vários congressos e conferências.

Homem de saberes, espírito inquieto, tem dedicado grande parte da sua vida ao estudo e investigação do turismo sobretudo com propósito pedagógico. Proferiu palestras e conferências em Portugal e no estrangeiro e esteve presente em numerosos congressos.

Membro e sócio fundador de diversas associações internacionais de turismo destacam-se a A.I.E.S.T. (Association Internationale d`Éxperts Scientifiques du Tourisme) e o SKAL (International Association of Travel and Tourism Professionals). Foi eleito membro da Associação Internacional de Peritos Científicos de Turismo e é correspondente da Academia Internacional de Turismo.

Autor, entre outras, das obras Turismo em Portugal – Caminhos da Memória (1900-2012) (no prelo), Dicionário de Cerâmica (Caleidoscópio: 2007), 4 décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Prontuário turístico (INCM/ESHTE: 2013; INFT: 1980; 1997), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade.

Em 2011, por ocasião da comemoração do 20º aniversário da Escola Superior de Hotelaria e Turismo, foi convidado a apadrinhar a Biblioteca desta escola.

Em 2012 doou um acervo significativo e diversificado que tem vindo a incrementar, totalizando actualmente cerca de dez mil peças que documentam a história do turismo e da hotelaria em Portugal desde finais do século XIX.

 

José Guilherme Freitas de Sousa Victorino é Doutor em Ciências da Informação, pela Universidade Complutense de Madrid, com a tese Um Instrumento de Consenso no Estado Novo: “Panorama, revista portuguesa de arte e turismo” (1941-1949). É Professor na Universidade Autónoma de Lisboa e tem publicado sobre temas no âmbito da propaganda política e cultural do salazarismo. É investigador no CEIS20, Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra. É membro do Conselho Consultivo da Fundação António Quadros. Tem participado em colóquios, conferências e outras iniciativas no âmbito da Universidade Nova de Lisboa, da Universidade da Extremadura, do Instituto de Ciências Sociais, da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, da Sociedade de Geografia, do IGESPAR, da Biblioteca Nacional, do Arquivo Nacional Torre do Tombo, da Associação Casa Veva de Lima, da Fundação Portuguesa das Comunicações, da Rádio Renascença e da RTP2. Foi responsável pelos Gabinetes de Comunicação da Unisys Portugal e da ICL Fujitsu Portugal. Integrou o júri dos prémios publicitários Cannes Lions.

 

Mafalda Ferro, neta de António Ferro, fundadora e presidente da Fundação António Quadros, é uma estudiosa e autora de diversas iniciativas em torno da vasta actividade de António Quadros, Fernanda de Castro e António Ferro nomeadamente no que respeita ao Turismo. Enquanto responsável pelo tratamento e disponibilização do espólio da Fundação António Quadros, Mafalda Ferro participou em centenas de trabalhos de investigação, organizou exposições, concursos, organizou o colóquio Turismo em Portugal. Passado. Presente. Que Futuro? e coordenou a publicação do respectivo livro de actas, assim como diversas outras.

Apresentou comunicações directamente ligadas aos objectivos da Fundação António Quadros, designadamente: “No rasto de António Ferro e de Fernanda de Castro” (Academia das Ciências); “António Ferro e as saudades de uma eterna juventude” (Sociedade de Geografia de Lisboa) [coautoria]; “António Ferro, uma viagem no tempo e na memória” (Academia de Letras e Artes de Portugal) [coautoria]; “Notas sobre António Ferro”, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; “William Shakespeare na obra de António Ferro e de António Quadros, dois intérpretes do modernismo em Portugal” (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa); "A acção de António Ferro em prol do turismo nacional" (ISLA SANTARÉM); " O tempo de Dalila Pereira da Costa e António Quadros: ideias, palavras e silêncios" (Tertúlias da Cultura no auditório do Palacete dos Viscondes de Balsemão, no Porto).