Notas Biobliográficas

1923

- Nasce no dia 14 de Julho, em Lisboa.

1942

- Matricula-se na Faculdade de Direito de Lisboa.

1943

- Abandona os estudos de Direito e inscreve-se na Faculdade de Letras de Lisboa, Curso de Ciências Histórico-Filosóficas.

1945

- Traduz e prefacia Diário de Salavin, de Georges Duhamel.

1946

- Inicia a sua actividade profissional nos Serviços Culturais da Câmara Municipal de Lisboa.

1947

- Publica o seu primeiro livro, Modernos de Ontem e de Hoje. Casa com Paulina Maria de Roure Roquette.

1948

- Conclui o curso com uma dissertação sobre arquitectura portuguesa.

- Publica, no dia 19 de Maio, no Diário Popular, um artigo sobre o livro "Adolescente" de Marmelo e Silva.

1949

- Publica a sua primeira colectânea de versos, Além da Noite.

1951

- Dirige, até 1952, com Orlando Vitorino a revista Acto – Fascículo de Cultura.

1952

- Publica Viagem Desconhecida. Nasce o seu primeiro filho, António Duarte, que lhe sucederá na direcção do IADE.

- Publica na Revista Acto o artigo “Formalismo, Escolasticismo, Academismo: caminhos do falso universalismo.

1953

- Inicia a sua colaboração nos Serviços da Campanha Nacional de Educação de Adultos. Nasce a primeira filha, Ana Mafalda, que trabalhará na Misericórdia de Lisboa (primeiro nos Parques Infantis criados por Fernanda de Castro e mais tarde no Arquivo Histórico) e criará a Fundação António Quadros assumindo a sua presidência.


1954

- Publica Introdução a uma Estética Existencial. Traduz Tradição, de André Maurois.

1955

- Traduz Tomás, o Impostor, de Jean Cocteau. Integra a Comissão Executiva do Programa de Festas de Lisboa de 1955. Nasce a sua filha mais nova, Rita Maria, que herda o talento da família para a escrita à qual se dedicará a tempo inteiro.

1956

- Publica o ensaio A Angústia do Nosso Tempo e a Crise da Universidade.

1957

- Com Afonso Botelho, Fernando Morgado e Orlando Vitorino, lança o «movimento de cultura portuguesa», de cujo órgão, o jornal 57, será director até 1962. Colabora no Jornal 57, publicando “A Dança e a sua Evolução”. Publica o ensaio Problemática Concreta da Cultura Portuguesa. Escreve o prefácio do livro (obra póstuma) Saudades de Mim, de António Ferro. É condecorado com a Ordem Britânica da Rainha Vitória (M.V.O.), no dia 18 de Fevereiro.

1958

- Ingressa no recém-criado Serviço de Bibliotecas da Fundação Calouste Gulbenkian.

- Publica na revista Rumo, nº 11 o ensaio O Enigma de Lisboa, Ensaio de Psicologia e de Psicografia de uma Cidade, cujo texto será posteriormente publicado em separata.

- Publica na revista Rumo, nº 16 o ensaio Diagnose da Arte Moderna - Ensaio de Interpretação Filosófica da Estética Contemporânea, cujo texto será posteriormente publicado em separata.

1959

- Publica A Existência Literária, colectânea de ensaios de crítica literária e, ainda, o ensaio introdutório para Sartre e o Existencialismo, de Ismael Quiles, «A Cultura Portuguesa Perante o Existencialismo».

- Publica na revista “Tempo Presente”, nº 8, “Filosofia e Sentimento Gnoseologia do Amor”.

1960

- Publica Fernando Pessoa, a Obra e o Homem e os livros de contos Anjo Branco, Anjo Negro e Histórias do Tempo de Deus.

- Participa em Lisboa e Coimbra num ciclo de conferências consagrado ao Romance contemporâneo

1961

- Promove em grupo o colóquio «O que é o Ideal Português?».

1962

- Publica «O Ideal Português na Filosofia?», na colectânea O Que é o Ideal Português.

1963

- Publica o primeiro ensaio de Filosofia da História, O Movimento do Homem e, ainda Seis Décadas da Filosofia Portuguesa, separata da revista Arbor, nº 208, Madrid.

A revista O Tempo e o Modo convida-o a publicar um artigo inserido no tema “o problema do artista adentro da sociedade contemporânea”.

1964

- Publica Crítica e Verdade - Introdução à actual literatura portuguesa

- Funda e dirige até 1967, a revista de filosofia e cultura Espiral.

A Sociedade Portuguesa de Escritores publica na colectânea O Romance Contemporâneo, a sua conferência «O Romance Brasileiro Actual» e, no mesmo ano, uma separata do referido texto.

1965

- Recebe o Prémio Ricardo Malheiros e o Prémio de Novelística da Casa da Imprensa para Histórias do Tempo de Deus. Publica o Ensaio de Estética: Carlos Botelho e, ainda, «Conferências do Casino», in As Grandes Polémicas Portuguesas, vol.II. Traduz e prefacia Cadernos II, de Albert Camus.

1966

- Regressa à poesia com o volume de Odes, Imitação do Homem. Publica «O Português e o Barroco», separata da Revista da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis, Vol. 8-9.

1967

- Publica O Espírito da Cultura Portuguesa, ensaios literários e histórico-filosóficos.

1967/1968

- Publica A Teoria da História em Portugal, em 2 volumes.

- Colabora no nº 1 da Revista Contratempo - Letras e Artes.

1969

- Funda o IADE, reconhecido pelo Ministério da Educação no dia 4 de Setembro.

- Publica nas edições Panorama, António Ferro, como autor do prefácio e da antologia e, ainda, Uma Viagem à Rússia.

1970

- Publica Franco-Atirador, nas edições Espiral.

- Colabora no nº 3 da Revista A Ilha, suplemento do “Jornal da Madeira”.

- Assume o cargo de Director-Geral do IADE, desempenhando essa função até 1992.

1971

- Publica Ficção e Espírito.

1972

- Apresenta um ciclo de conferências sobre Literatura Infantil «O Sentido Educativo do Maravilhoso», Ministério da Educação/Biblioteca Nacional em Lisboa.

- Publica O Sentido Educativo do Maravilhoso (incluído em Memórias das Origens, Saudades do Futuro).

- Publica o seu depoimento  na colectânea Inquérito sobre a Filosofia Portuguesa.

1973

- Publica Pedro e o Mágico, contos para crianças, galardoado com o Prémio Nacional de Literatura infantil e juvenil da Secretaria de Estado da Informação e Turismo desse ano e ainda, A Aventura e o Mundo Juvenil e os seus Aspectos Educativos. Traduz e prefacia Os Justos, de Albert Camus. Traduz O Estrangeiro, de Albert Camus.

1974

- Escreve a nota preliminar de As Três Irmãs, de Camilo Castelo Branco.

1976

- Publica Portugal, entre Ontem e Amanhã.

1978

- Publica A Arte de Continuar Português.

1979

- Apresenta a conferência «A Obra de Fernando Pessoa», no Centro de Cultura Gulbenkian em Paris. Publica «Um Pascoaes para 2001», in No Centenário de Teixeira de Pascoaes.  

1980

- Publica Introdução à Filosofia da História e, ainda Ó Portugal, Ser Profundo.

1981

- Publica «O Castelão da Torre da Barbela», no In Memoriam de Ruben A.

- Retira-se da sua actividade na Fundação Gulbenkian, passando a dedicar o seu tempo ao IADE e à produção literária

1982

- Participa no colóquio «Massificação, Uniformização e Criatividade», apresentando «Nuevas Metas para la Humanidad», em Madrid.

- Publica S. Francisco de Assis, Ontem e Amanhã, in Francisco de Assis. 1182-1982 – Testemunhos Contemporâneos das Letras Portuguesas.

- Publica o artigo Algumas Reflexões sobre a Deontologia da Comunicação Social, da na revista Democracia e Liberdade, nº 23., do qual se publicará, no mesmo ano, uma separata.

- Publica no semanário Tempo o estudo A Obra Visionária de Dalila Pereira da Costa.

- É entrevistado pelo “Diário de Coimbra” (suplemento de Artes e Letras Sopro’s, de 16 de Setembro) e a entrevista é publicada com o título “A revista 57 realça a reflexão filosófica sobre os valores da cultura portuguesa”.

1982/83

- Publica Poesia e Filosofia do Mito Sebastianista.

1983

- O seu livro Poesia e Filosofia do Mito Sebastianista recebe o Prémio de Ensaio Literário ou Biográfico do Município de Lisboa de 1983.

- Participa em diversas conferências:

 «Heteronímia e Alquimia». Simpósio Internacional sobre Fernando Pessoa, na Universidade Vanderbilt, Nashville, U.S.A;

 «Fernando Pessoa, O Homem e a Obra», no Instituto de Sintra;

 «Introdução à Teoria da Identidade Portuguesa». Seminário Expansão da Língua da Cultura Portuguesa no Mundo, realizado na Universidade de Santa Bárbara. Califórnia;

 «Ortega y Gasset, Filósofo da Razão Vital», na Fundação Gulbenkian em Lisboa;

 «Leonardo Coimbra», na Faculdade de Letras do Porto/Fundação Engº António de Almeida, Porto.

- Marques Gastão publica na sua obra “Diálogos com Escritores e Artistas Portugueses”, uma importante entrevista com António Quadros.

- Profere a conferência “O Homem Português”, no dia13 de Dezembro.

1984

- O estudo Fernando Pessoa, Vida, Personalidade e Génio é galardoado com o Prémio de Ensaio do Município de Lisboa. Participa no I Congresso Português de Literatura Brasileira «O Epos e o Mytos na Literatura Brasileira Moderna», realizado no Porto. Participa no colóquio «Introdução a Portugal Encoberto»», realizado em Viseu, com a apresentação «Que Projecto para Portugal?».

- Publica «Fernando Pessoa, Heteronomia e Alquimia», in Actas do II Congresso Internacional de Estudos Pessoanos, Centro de Estudos Pessoanos.

- Publica «O Homem Português», in Que Cultura em Portugal nos Próximos 25 anos.

 - No dia 26 de Julho, publica, no jornal "Tempo", Um Monarquismo Repensado.

- Publica o texto da sua conferência “O Homem Português”, proferida no dia13 de Dezembro, em “Que Cultura em Portugal nos próximos 25 Anos?”, obra comemorativa dos 25 Anos da Editorial Verbo.

1985

- Publica «A Obra de Leonardo Coimbra no Contexto Cultural da sua Época», na colectânea de estudos Leonardo Coimbra, Filósofo do Ideal e do Real, texto que será posteriormente publicado em separata.

- Organiza e escreve a introdução e notas para Mário Sá-Carneiro, Obra Poética (Poesia completa, incluindo os primeiros poemas e poemas dispersos. - Organiza e escreve a introdução e notas para Céu em Fogo de Mário Sá-Carneiro.

1985/1986

- Organiza e escreve a introdução e notas para Obra Poética e em Prosa de Fernando Pessoa (17 volumes).

- Publica “Fernando Pessoa, Poeta, Profeta e Alquimista do Verbo” na Revista Comunidades de Língua Portuguesa, nos 6/7, Estudos sobre Fernando Pessoa no Brasil.

1986

- Publica Portugal, Razão e Mistério – Uma Arqueologia de Tradição Popular.

- Organiza Fernando Pessoa, Obra em Prosa e escreve a introdução e notas. - Reúne e prefacia, com Dalila Pereira da Costa as Obras de Fernando Pessoa (três volumes).

- Entre os dias 3 e 18 de Novembro, ministra na Universidade Gama Filho, um curso sobre a Filosofia Contemporânea em Portugal, como Professor Visitante do Doutorado em Filosofia.

1987

- Publica Portugal, Razão e Mistério – O Projecto Áureo ou o Império do Espírito Santo. Publica O Primeiro Modernismo Português – Vanguarda e Tradição Democracia e Liberdade e, ainda a edição revista de A Filosofia Portuguesa, de Bruno à geração de «57».

- Participa no colóquio «Cumprir Portugal», no Instituto Dom João de Castro em Lisboa.

- Participa no Ciclo de Conferências Comemorativas do 75º Aniversário da «Renascença Portuguesa «Leonardo Coimbra e os seus Discípulos», promovido pela Fundação Eng.º António de Almeida no Porto.

- Escreve a introdução e posfácio para O Esoterismo de Fernando Pessoa, de Dalila L. Pereira da Costa (o posfácio foi incluído em Memórias das Origens, Saudades do Futuro).

1987

– Colabora na Revista Democracia e Liberdade.

1988

- Assume, até 1989, o cargo de membro do Conselho Patrocinador da revista de Filosofia Portuguesa, Leonardo. Orienta o Seminário de Cultura e Filosofia Portuguesa «La Paideia Luso-Brésilienne et La Philosophie de Langue Portugaise», na Universidade da Misericórdia/Fundação Lusíada em Friburgo.

- Apresenta a conferência «Romantismo e Misticismo na Pintura de Theresa Saldanha», na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

- Participa no ciclo de conferências de Cultura e Filosofia Portuguesa «Introdução à Teoria da Identidade Portuguesa» realizado na Universidade Gama Filho do Rio de Janeiro.

- Escreve o prefácio de Os Meninos d’Oiro – Vaudeville, de Augusto Cunha.

- Reúne, prefacia e redige as notas para a Obra Poética e em Prosa de Camilo Pessanha.

- Anna Maria Moog Rodrigues publica, no nº. 29 da revista Ciências Humanas, da Universidade Gama Filho, o depoimento: António Quadros, interprete da Cultura Portuguesa.

- O Instituto da Defesa Nacional publica “Nacionalismo e Patriotismo na Sociedade Portuguesa Actual”, no qual inclui o “Ensaio sobre a Identidade Portuguesa como Fundamento da Independência Nacional – societarismo, paisanismo, patriotismo e estatismo -, de António Quadros.

- Publica o estudo Introdução à Teoria da Identidade Portuguesa, na Colecção “Cadernos Políticos”, nº 2 – A Identidade Portuguesa – Cumprir Portugal.

1989

- Publica A Ideia de Portugal na Literatura Portuguesa dos Últimos Cem Anos e, ainda O Primeiro Modernismo Português – Vanguarda e Tradição.

- Apresenta o colóquio sobre o Culto do Espírito Santo «Do Império do Espírito de Santo ao Império da Filosofia», na Casa dos Açores/Biblioteca Nacional em Lisboa.

- Publica Mestre de Mestres ou Do magistério de Leonardo ao magistério dos discípulos, na colectânea O Pensamento Filosófico de Leonardo Coimbra, do qual se publicará uma separata.

- Escreve «António Ferro, artista da palavra e ‘comunicador’ do modernismo português», prefácio do livro Batalha de Flores, de António Ferro. 1989

– Colabora na Revista Leonardo.

- Publica A Porta Estreita, numa colectânea de textos recolhidos pela Universidade Católica Portuguesa: Os Meios de Comunicação Social e a Promoção da Justiça e da Paz.

- Publica “Delfim Santos – Introdução à Vida e à Obra”, no nº 44 da revista Reflexão, do Instituto de Filosofia Pontifícia da Universidade Católica de Campinas, SP.

Profere, na Câmara Municipal de Matosinhos, no dia 25 de Novembro, a conferência “Órfão de Pai, Órfão de Pátria” ou “Fernando Pessoa e a Demanda da Identidade Perdida”.

1990

- Assume o cargo de Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional da Alfabetização, sob a égide da UNESCO.

- Assume o cargo de Membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social que manterá até 1991. Apresenta a conferência «Belém: a sacralização manuelina do espaço simbólico», no Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal.

- Promove e apresenta o ciclo de Conferências «Portugal e a Ideia de Descoberta», no IADE em Lisboa.

- Publica «Delfim Santos – Introdução à Vida e à Obra», no volume colectivo Delfim Santos - Octogésimo Aniversário do Centro Cultural Delfim Santos, no seu octogésimo aniversário do seu nascimento.

- Redige a introdução e as notas de Mensagem e outros Poemas Afins, de Fernando Pessoa. ~

- Colabora na Revista O Tripeiro, com o artigo “Introdução à Estrutura do Universo Camiliano”.

- O Boletim Cultural da Fundação Calouste Gulbenkiam publica o seu depoimento “Os dois Portugais”.

1991

- Publica Uma Frescura de Asas, romance inspirado nos últimos dias de Sampaio Bruno. Publica Trovas para o Menino Imperador no Dia de Pentecostes. Funda e faz parte da direcção do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira. Apresenta a conferência «Raul Lino, o último arquitecto» no Instituto Alemão de Lisboa. Reúne, prefacia e redige as notas para a Obra Poética Completa de Mário de Sá-Carneiro. Colabora no catálogo da exposição “Margarida Cepeda – A Busca do Infinito”, escrevendo o texto de apresentação

1992

- Publica Memórias das Origens, Saudades do Futuro – Valores, Mitos, Arquétipos, Ideias e Estruturas Simbólicas do Imaginário na Literatura Portuguesa. Reúne, prefacia e elabora notas de Cartas Escolhidas, de Mário de Sá-Carneiro.

-Participa na colectânea «Temas Portugueses e Brasileiros - Selecção de Textos de Autores Portugueses sobre Temas Culturais do Brasil e de Autores Brasileiros sobre Temas Culturais Portugueses» com o texto O Epos e o Mythos na Literatura Brasileira Moderna (pág. 155).

1993

- Publica Antero de Quental, do Poeta-Filósofo ao Poeta-Religioso. A Questa, A Odisseia, a Peregrinação, separata das Actas do Congresso Anteriano Internacional, Universidade dos Açores, Ponta Delgada.

- Morre no dia 21 de Março, dia da árvore, símbolo da vida para a qual tão gloriosamente contribuiu. Deixa na família, nos amigos e na cultura, uma lacuna que jamais será preenchida.

- O Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, publica “António Quadros”, colectânea de textos sobre o amigo, companheiro, fundador e director do Instituto.

1995

– A Fundação Lusíada promove um colóquio sobre a vida e obra de António Quadros que dá origem a “Sabatina de Estudos da obra de António Quadros e uma contribuição bibliográfica de enorme interesse”.

1996

– A Fundação Lusíada publica “O Novo Argonauta (E a Ilha Firme), de Dalila Pereira da Costa com o seu estudo A Obra Visionária de Dalila Pereira da Costa (publicado pela primeira vez em 1982, no semanário Tempo).

1998

– É inaugurada, no IADE, a Biblioteca António Quadros.

1999

– Mafalda e Rita Ferro publicam a fotobiografia “Retrato de Uma Família”, sobre a vida e obra de António Quadros, Fernanda de Castro e António Ferro.

2006

- Pedro Calafate publica em “Portugal como Problema, século XX – Os Dramas de Alternativa”, o ensaio de António Quadros “Pensar Portugal”.

2007

- No dia 29 de Novembro, é inaugurada, em Cascais, a Rua António Quadros.

- O Centro de Filosofia da Universidade de Letras promove o projecto «A Questão de Deus» no qual Romana Valente Pinho apresenta: Deus na tradição do pensamento português contemporâneo: a contribuição de António Quadros.

- Homenageando Francisco da Cunha Leão no ano do centenário do seu nascimento, a Guimarães Editores publica “Do Homem Português - Ensaios”, inserindo entre outros, dois textos de António Quadros: “Memória de Francisco da Cunha Leão” e “Cunha Leão e o Homem Português.

2008

- Romana Valente Pinho publica António Quadros Pátria Real e Pátria imaginária, no primeiro número da Revista Nova Águia.

2008

– A Família de António Quadros faz a doação do seu espólio documental e da sua biblioteca (descrita por Mafalda Ferro), à Fundação António Quadros.  

2009

– No dia 8 de Janeiro, é reconhecida oficialmente a Fundação António Quadros – Cultura e Pensamento. A Fundação inicia a organização e tratamento do espólio documental de António Quadros.


OUTROS CARGOS QUE EXERCEU:

- Director da Sociedade Portuguesa de Autores;

- Representante do Ministério da Educação no Comité Nacional para a Década Mundial do Desenvolvimento Cultural;

- Director da Biblioteca Breve, do Instituto de Cultura e Língua Portuguesa ICALP;

- Director do Círculo Eça de Queiroz;

- Director do Instituto de Cultura e Língua Portuguesa;

- Professor e Membro da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa;

- Fundador e Director do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira;

- Membro do Conselho de Administração da Fundação Lusíada;

- Sócio – correspondente da Academia das Ciências de Lisboa;

- Sócio – correspondente da Academia Brasileira de Filosofia;

- Membro do CELBRA, Centro de Estudos de Pensamento Luso-Brasileiro (Rio de Janeiro);

- Membro da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, do Centro de Estudos Luso-Brasileiros;

- Professor – convidado da Universidade Gama Filho (Brasil).

- Membro da Fundação Europeia de Cultura, com sede em Amesterdão